• Por Bruno Santos

#Ep15 – Expedição a todo vapor!

Iniciamos mais um dia de expedição com jornada dupla e agenda cheia com equipes a campo em Mato Grosso do Sul e São Paulo. A primeira visita da jornada, no interior paulista, foi em um confinamento na região de Barretos, no município de Jaborandi.


Com capacidade estática para 2.500 cabeças e mais 800 no sistema de semiconfinamento, a fazenda está em atividade desde 1986. No local é realizada uma operação bem ajustada de apenas um giro no ano com tudo muito bem estruturado.


Ainda no período da manhã, na mesma região, conhecemos a segunda propriedade do dia, um confinamento estratégico que compra boi magro e os termina no confinamento. A fazenda, de capacidade estática para 900 cabeças, no ano passado confinou 1.500 animais, porém para esse ano, segundo os proprietários, reduzirão a engorda para 1.200. Segundo eles, o alto custo de produção e o preço do boi magro, excessivamente alto, pesaram na decisão.

Carne de qualidade


Paralelamente em terras sul-mato-grossenses, no município de Itaquiraí, conhecemos uma fazenda que, nos últimos anos, tem focado no projeto de carne de qualidade. A propriedade com capacidade estática para 5.800 bois, faz a terminação de 100% do plantel no confinamento.


A seleção é focada na qualidade e com a força na genética Nelore, onde são referência. No projeto, buscam a carne premium através da cruza de machos Angus com matrizes Nelores, altamente selecionadas.

Os jovens animais desse cruzamento são colocados no creep-feeding (forma de suplementação com ração à vontade no cocho privativo dentro de um cercado, o qual somente os bezerros têm acesso), desmamam com 380 kg e vão direto para o confinamento, não passando pela fase de recria. Esse sistema “super intensificado” de nutrição permite abater a boiada com 15 meses de idade e quase 22 arrobas, produzindo uma carne extremamente macia.


Trato de primavera



Saindo de Itaquiraí, seguimos para a cidade de Naviraí, no sul do estado de Mato Grosso do Sul. Chegamos em uma fazenda de 12 mil hectares dos quais 2 mil são pastagens e o restante está distribuído entre reserva e agricultura.


O confinamento de capacidade estática de 8 mil animais, é dividido em duas partes. Metade do espaço é destinado à engorda e terminação dos animais criados em outras fazendas da família, recriados nas áreas de sistema Integração Lavoura-Pecuária (ILP) e terminados no confinamento.


Os outros 50% são destinados para fazer o trato de primavera, que consiste em retirar os bezerros do pasto um pouco antes do período das chuvas, colocá-los no cocho durante a recria e, quando os pastos retornarem à fase de corte, eles voltam para o sistema rotacionado.


Nesse caso os jovens animais não recebem dieta específica para engordar, só uma dieta de manutenção. Ou seja, eles tentam mimetizar o que o animal ganharia no pasto para não ter problema de rejeição ou regressão.


Genética diferenciada



Ainda no município de Naviraí, finalizando a agenda de visitas, conhecemos a última fazenda do dia, que realiza três atividades dentro da mesma área: seleção genética, lavoura e confinamento, onde prestam serviço de confinamento (boitel) e engordam boiada própria.


A capacidade estática é de 3 mil animais e o grande diferencial está na dieta que poucos produtores fazem no Brasil. O sistema utilizado é a Snaplage (nome em inglês do que chamamos de silagem da parte superior do pé de milho), a qual tem maior qualidade nutricional por conta da concentração de amido alto. #issoéconfinabrasil


PATROCINADORES

APOIO INSTITUCIONAL

APOIO DE MÍDIA

REALIZAÇÃO

Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 | Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000

+55 17 3343 5111 | +55 17 98107-2666confinabrasil@scotconsultoria.com.br

BM-logo02_branco.png

Copyright 2020.

  • Confina Brasil Instagram